Desocupados que passaram por aqui

sexta-feira, março 25, 2011

Síndrome de avô 2: “Não mexa na minha infância!”


Pra quem não lembra, eu já comentei sobre a chamada “síndrome de avô”, que é quando jovens (20 e alguns anos) resolvem agir como velhos rabugentos e ficar reclamando da juventude atual.

Acontece que esse distúrbio vai muito além de reclamar dos tempos atuais. Pra esse tipo de pessoa, aparentemente sua infância foi a tanto tempo e tão impactante que é proibido mudar qualquer coisa relacionada a ela.

Qualquer mudança, por menor que seja, já gera um ódio gigante nesse tipo de pessoa.
Em especial, existem dois tipo de coisas que esses velhos de 20 anos não aceitam nem sobre decreto.

E é sobre essas duas coisas que pretendo falar.



Mudar meus queridos desenhos? NUNCA!


Essa é a mais comum, já que não precisa ser um nerd pra ter tido uma infância recheada de desenhos. Ou seja, todo mundo cresceu em frente a TV assistindo os mais variados programas.

E cara, como os desenhos dos anos 80-90 eram bons. Pudemos crescer assistindo Thunder Cats, GI Joes, Transformers, e mais um monte de desenhos que as pessoas sempre esquecem.

Foi uma época dourada para as animações.

E pelo visto, os produtores também acham isso, o que é comprovado pelo fato de que cada vez mais eles se viram aos desenhos mais antigos para criar inspiração e até recriá-los.

Já lançaram novas temporadas de Transformers, He-man, e outras coisas aí...

A mais recente vítima foi o Thunder Cats, e está gerando o maior rebuliço.
Hooooooooooooooooo!

 

Vamos voltar no tempo e nos lembrar de como eram os thundercats (Hooooo!).

Os heróis vinham de um planeta (chamado Thundera, né?) que foi destruído, e a missão deles era colonizar um novo planeta (ou algo assim) e sobreviver aos ataques do temível Mumm-Ra.

Vamos ser honestos. Os desenhos animados sempre foram uma desculpa de se vender brinquedos, e nos anos 80-90 os produtores nem se esforçavam em disfarçar isso. Tanto que a maior parte dos desenhos tinha uma história tão estapafúrdia e sem nexo, e o único motivo que nós assistíamos eles era pra ver os heróis quebrando tudo.

Uma coisa que eu acho, quanto aos desenhos mais antigos, é que muitos tinham um universo bem interessante, mas que nunca eram aproveitados completamente. Por melhor que fossem os desenhos eu sempre achava que algo estava faltando.

Então sempre que eu vejo alguma noticia falando que resolveram retomar alguma dessas relíquias e dar um novo pique pra série, eu fico bem ansioso.


Mas nem todos compartilham de meu entusiasmo.
E por que?

Por causa disso:

 

As mudanças (principalmente visuais).

Quando os velhos-de-20-anos se deparam com esse Lion versão anime, os chiliques começam, o sangue jorra e as vidas acabam.

Por mais promissor que as mudanças propostas sejam tudo é ignorado quando o visual dos nossos ídolos vira algo tão...tão..tão...moderno!

Eu não consigo entender isso.

As pessoas tem que entender que esse visual “andrógino – anime - blablabla” é o que faz sucesso agora. Da mesma forma que você, com seus 20 e poucos anos olha esse Lion e acha ridículo, as crianças de hoje em dia pensam o mesmo quando vêem os Thundercats originais, que mais pareciam uma banda de metal farofa.

 

Lembra do meu outro texto sobre a crise de vô? Lembra o que eu falei sobre PÚBLICO ALVO?
Então... Vamos pensar... Quem será o público alvo dessa nova versão de Thundercats? Um cara de 25 anos que cresceu nos anos 80-90, ou uma criança de 10-15 anos que cresceu num mundo onde a animação japonesa domina?
Eu te dou um tempo pra pensar na resposta... É uma pergunta muito difícil...



...

Tempo esgotado...

E então? Qual a resposta?

É claro que é pras crianças atuais, oras bolas...
É claro que nós, mais velhos, achamos ruim esse novo visual, mas é por que nós fomos criados com os visuais antigos, nos acostumamos a eles.

E, sejamos francos. Tirando esse visual “menino é menina e menina é menino”, parece que o desenho vai ser bom até.
E não é como se ele sendo ruim, ele torne o desenho antigo ruim também. Se você estiver infeliz com essa nova roupagem deles, você sempre terá a série antiga pra te fazer compania.

E a segunda coisa que irrita os novos velhos:

Mexer nos meus jogos? Tá maluco?

 
O pessoal de 20-30 anos também teve a sorte de pegar a “era de ouro” dos video games. Uma época onde as produtoras de games lutavam bravamente para arrebanhar a juventude.

Todos os grandes ícones dos VGs, como Mario, Link, Sonic e patota limitada, surgiram nessa época, e as pessoas que cresceram durante essa “era” se afeiçoaram muito desses antigos ídolos.

E claro que uma vez que alguém com a síndrome de avô se afeiçoa de algo, esse algo tem que permanecer imutável pelo resto dos tempos.

“Como assim Mario vai ser em 3 dimensões? Quem disse que pode ter Castlevania sem os Belmont? Onde já se viu um Ninja Gaiden fácil?”

Sempre que anunciam um novo estilo para os jogos velhos, os fãs mais chatos ficam reclamando, mandam emails inconformados, boicotam, etc.

Se dependesse deles, nós ainda estaríamos jogando side scrollers em 2D com gráficos 8 bits, dificuldade mega-blaster-blenorrágica e sem história.

 

Pode parecer que eu estou exagerando, mas não estou. Sempre que anunciam alguma mudança nas séries clássicas, os fãs mais xiitas começam a reclamar, dizendo que estão fugindo do espírito da série, ou sei lá que tipo de coisa eles dizem pra se convencer...

E mesmo quando os produtores não mechem em nada das séries clássicas, os “vovôs” sempre dão um jeito de comparar os jogos recentes com os antigos, exaltando os clássicos e marretando o atual.
“Ah... Na minha época não se preocupavam com gráficos bonitos e história elaborada... Só nos davam a boa e velha jogabilidade..”

MAS É CLARO QUE ELES SÓ SE PREOCUPAVAM COM JOGABILIDADE!

Era a única coisa que eles conseguiam se preocupar. Como iam elaborar os gráficos quando tudo não passava de pontinhos? Como iam criar histórias elaboradas quando os jogos duravam algumas poucas horas no máximo?

E convenhamos, mesmo a tão defendida jogabilidade superior é meio questionável... Principalmente quando se compara os controles antigos com seus 4 botões, com os controles atuais com dúzias de botões, sensores de movimento e todas essas coisas...

Mas o problema com esse tipo de pessoa é que eles só vivem no passado, e se recusam a abrir a mente pras coisas novas que rolam por aí.

 

Eu tenho até uma teoria (inspirada pela síndrome do underground – qualquer dia eu comento sobre isso). Acontece que pra tudo na vida, nós gostamos de nos sentir especiais.

Por mais que queiramos nos incluir em algum grupo, as vezes gostamos de pensar que somos os únicos que gostam de alguma coisa, ou pelo menos fazer parte de um grupo seleto de fãs.

Por isso que acho que essas pessoas se prendem tanto ao passado. Quer algo mais seleto do que uma época que já se foi? E o problema das coisas atuais é o fato de que é o que faz sucesso. Ou seja: muita gente gosta, e todo aquele sentimento de “ah..sou especial.. só eu curto” vai pro lixo.

Então, quando alguma produtora chega e fala que vai pegar algo do seu passado e transformar em algo atual, você fica bravo. Fica bravo por que vão dar a oportunidade para as pessoas de hoje de gostar daquilo que você gostava anos atrás.

Assim, você se sente menos especial, menos seleto.

Ou então eu estou viajando feio, o que é mais provável, já que não sou psicólogo, antropólogo, nem nenhum especialista em comportamento humano...

Mas agora, falando sério: o verdadeiro problema dessas pessoas é que elas consideram qualquer afronta aos seus favoritos como algo pessoal.

 

As vezes algumas mudanças podem parecer um dedo do meio pros fãs (como o novo Devil May Cry), mas esse tipo de coisa não é pra ser levada tão pessoalmente. Parece até que qualquer mudança ruim que fizerem com as séries vai destruir toda ela.

Eu até entendo os chiliques quando as mudanças ruins são feitas na história original.
Mas, no caso dos Thunder Cats e do Devil May Cry, por exemplo, essas mudanças bruscas são feitas paralelamente. É o chamado “reboot”, que consiste basicamente em reaproveitar o universo/personagens do jogo/desenho/whatever e criar uma história nova independente da original.

Qualé?!?! Não é pelo fato de que os novos thunder cats serem feios que vai fazer com que os thunder cats dos anos 80 sejam ruins também.

Caso o reboot seja uma catástrofe, há sempre a história original pra te fazer compania.

 

E tudo isso é mais ou menos o que eu queria falar.

Essas pessoas com síndrome de avô se prendem muito aos seus passados, e acabam não aproveitando o presente.

E daí que as adaptações/reboots/etcs possam ficar ruins? É sempre bom haver mudanças.
Quem sabe, é até capaz que o novo supere o velho... E você pode acabar perdendo por que estava preocupado demais reclamando.

Tenham um bom dia!

3 comentários:

  1. Eu gostei do novo Devil May Cry, mas também adorei o texto (e achei estes novos Thundercats compartilhadores de um visual extremamente ruim, mesmo eu não apreciando muito o estilo do desenho original).

    ResponderExcluir
  2. Caramba, não curti de jeito maneira o novo DMC, fuderam LEGAL com o Dante, e tomara que não mudem a mitologia do cara... Maldita ocidentalização... Aliás, EU RI NO POST. Já estou te seguindo, por que esse blog é qualidade pura, siga-me o/

    www.dragonerd.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Muito legal teu blog, parabéns!

    Já estou te seguindo.A partir de hoje estarei te acompanhando...
    tenho um blog também segue lá?
    http://emersonblogando.blogspot.com/

    ResponderExcluir