Desocupados que passaram por aqui

domingo, março 20, 2011

Cansei de ser bonzinho!


No more Mr. Nice Guy!

Ta... Isso foi só pro caso de alguém não entender a imagem de abertura desse texto.

De qualquer jeito...

Chega um momento na nossa jornada em que nos perguntamos se ser bonzinho realmente vale a pena. Chegamos a nos cansar de sempre escolhermos ajudar os outros e não ganhar nada, ao invés de ser indiferente aos problemas alheios e sair lucrando (ou ainda ser um completo f.d.p. e sair lucrando ainda mais).

Olhamos para trás e percebemos que fomos usados, enganados, manipulados e quase nunca conseguimos colher os frutos de nosso árduo trabalho.

Será que ser malvado não é mais fácil? Só se preocupar com os seus próprios problemas e se aproveitar dos outros para lucrar ao invés de não sair do lugar só pra poder estende a mão ao próximo...



Ás vezes dá até vontade de sair do jogo e dar um “New Game” e começar tudo de novo pra ver onde as “escolhas ruins” vão te levar.

Sim. JOGO.

Tava achando que eu tava falando de que, hein?


Não lembro quem que começou com essa mania, mas agora quase todo jogo que se preste tem que ter um sistema de “Karma”. Faça coisas boas, ganhe pouco dinheiro, mas será recompensado no futuro. Seja malvado, ganhe dinheiro, fama e diversão, mas seja odiado por todos.

Agora a todo o momento enquanto estamos curtindo nossos games nos deparamos com alguma escolha moral. E geralmente essas escolhas afetam não só a história e o desenvolvimento dos personagens, como também influenciam até na jogabilidade.


Por exemplo, no jogo “Dante’s Inferno”, onde você é um cara que foi pro inferno dar uns cascudos no capeta, e se depara com diversas almas penadas no seu caminho. E cabe a você escolher se absolve ou condena esses pobres coitados. E dependendo de quantas almas você salvou ou destruiu, você recebe novos tipos de ataques. Legal né?

Mas o melhor exemplo que eu consigo pensar sobre Karma é o ótimo Fallout 3.



Pra quem não sabe, Fallout 3 se passa num mundo pós guerra nuclear, onde você acaba de fugir de seu abrigo e se depara com uma Washington destruída onde impera a lei do mais forte. O que você vai fazer a partir daí é por sua conta e risco.

Você pode ficar vagando pelo vasto mundo do jogo, conhecendo os mais variados tipos de pessoas (zumbis, mafiosos, loucos, canibais, mutantes...) e escolher ajudá-los, deixá-los a própria sorte ou simplesmente matar todo mundo. Você pode ser tudo, desde um bom samaritano que faz de tudo sem cobrar, a até um canibal mercenário.


Escolha ser bonzinho e ganhe presentes ao chegar nas cidades, mas seja caçado por mercenários aonde quer que vá. Escolha o caminho do mal e seja temido e respeitado, mas seja recepcionado com tiros nas cidades.

Escolha ser neutro e indiferente, e você pode sair lucrando mais dinheiro, mas nunca vai conseguir o parceiro mais forte do jogo...

(Aliás..esse brutamontes só se une a você se você for bonzinho...)

São muitas escolhas!

Mas, é claro, como sou um “coração mole” sempre escolho jogar como um bom garoto. Todos os jogos com escolhas morais, eu sempre sigo o caminho do “bonzinho”. Sempre sou educado, tenho paciência com os velhinhos sem memória, ajudo os outros sem pedir dinheiro... E sempre acabo tendo que sair por aí caçando dinheiro quando seria mais fácil roubar o vendedor e levar todos seus suprimentos.


Não seria legal, de vez em quando, só pra variar, sei lá... Explodir uma cidade? Vender sangue para vampiros? Extorquir dinheiro dos pobres? Se juntar a uma gangue e sair espalhando o caos?

Sei lá... Acho que os “bons costumes” estão tão fixados no meu caráter, que quando estou jogando videogame, ao invés de eu ser o personagem, eu acabo fazendo com que o personagem seja eu.

É como se esse Henrique que está escrevendo pra vocês agora fosse colocado naquela Washington devastada, assim tomando as decisões normais para alguém que vive em tempos mais fáceis, e não as duras decisões de alguém que está por sua conta e risco num mundo apocalíptico.

Ás vezes acho que eu devia assumir mais o papel do personagem (afinal, é um jogo de assumir papéis – role playing game): “Tudo bem, Kaum... Você está sozinho nesse mundo, com todas as formas de vida querendo te matar... Você não precisa parar pra ajudar todo mundo... Sua sobrevivência só depende de você!”

Mesmo assim sempre vou sentir um pouco de peso na consciência por explodir os miolos de um velhinho que não quis me pagar...

Mas faço aqui uma promessa:


Assim que eu conseguir comprar o Mass Effect 2 (ou o Dragon Age 2.. estou na dúvida) eu não vou ser mais um bom samaritano... Cansei. Vou ser um soldado endurecido por mil guerras que só se preocupa com a missão, e AI DE QUEM FICAR NO MEU CAMINHO!

Tenham um bom (ou mau, quem sabe) dia!

5 comentários:

  1. Eu geralmente sou assim com games, sempre sendo o Nice guy two shoes, mas em mass effect aconteceu uma coisa interessante.

    Em ME 2 você pode ser fazer as coisas padrão, ser legal com aquele cara ou destruir a vida daquele cara, blá blá blá, mas a diferença é que você pode escolher "trapacear" em certos momentos na luta contra os seus inimigos.

    Por exemplo, você encontra um grupo de mercenários e o líder deles começa a falar para você ir embora.

    Então o seu personagem percebe que aos pés dele tem um tanque de propano.

    Então você pode escolher entre dar a eles um luta justa ou atirar no tanque e lhe dar uma vantagem injusta.

    E foi assim que eu joguei, conseguindo uma morte gratuita todas as vezes que eu podia, mas sendo o cara legal com o resto das pessoas (não que eu não tenha distribuído uns tabefes lá e cá).

    Dragon age é bom, mas eu acho que você deveria escolher mass effect 2, foi o melhor jogo que eu já joguei.

    ResponderExcluir
  2. eu comprei mass effect 2 (uns 3 dias depois que escrevi esse texto) mas ainda não tive tempo de jogar...

    mas vou seguir no caminho do mal...
    TAPA NA CARA DE TODO MUNDO!

    DA2 fica pra depois...

    ResponderExcluir
  3. Sou bonzinho no video game, mas sempre fodo alguém na vida real.

    ResponderExcluir
  4. Olha, sobre a tua duvida a respeito do DA II ou ME II, eu tenho um palpite.

    Eu assumo q como vc tem duvida entra DAII e ME II vc ja joguou ambos Origins e masseffect I.

    Bem, pelo q me parece masseffect II honra bem o I, logo, se vc gostou do I vai gostar muito do II tbm, infelizmente no caso de DA n é a msm coisa, pelo menos n pra mim, e acho dificil de alguem q ja jogou discordadar de q DA;O é melhor q DAII, eu digo isso pq oq me parecia legal no Origins n foi levado adiante do no Dragon Age II, a multiplicidade de raças e estilos de combate com cada classe q vc escolhesse q eram os melhores pontos do Origins foram meio q ignorados no DAII, enquanto q o ideal seria melhorar aquilo. Se vc gostou de masseffect tanto quanto de DAorigens, compre o masseffect II, se prefiriu muito mais o DAO compre o DAII pq nesse caso ainda estaria acima msm sendo inferior ao origins.
    Ta ai minha opnião

    ResponderExcluir
  5. Bem..
    como eu tenho um PS3, eu nunca joguei o ME1.. então o interesse que tenho no ME2 é só pelas análises que vi por aí e pela demo que eu joguei...
    e também nunca joguei o DA..

    nos dois casos seria meu primeiro contato com os jogos..

    mas..como disse aí nos comentários, já comprei o ME2... então dúvida resolvida..
    hehe

    mas obrigado pela dica

    ResponderExcluir