Desocupados que passaram por aqui

segunda-feira, abril 26, 2010

Shin Megami Tensei Persona 3: Quem topa ir matar uns monstros depois da aula?




Tem alguém aí?!?!


Alooooooo?!?!


*passa uma bola de feno rolando..a-la cidade fantasma*


É...larguei aqui né?

Bem.. primeiramente gostaria de me desculpar com meus fiéis leitores (que, de acordo com os comentários do texto passado são 2 pessoas) por minha prolongada ausência...


...não que alguém tenha sentido falta mesmo...


Maaaaaaaaaaas.... continuemos...



Esse foi um mês muito complicado para atualizar o blog. Tive provas, trabalhos, provas, não parei em casa e ainda tive provas....

E, verdade seja dita, tava com uma preguiça de escrever um texto novo.


Porém, todavia, entretanto, como essa semana não tenho provas (mas tenho trabalhos...dammit) resolvi fazer um textinho rápido pra saciar a fome bloguística de vocês.

E claro, espero que vocês, leitores (se ainda restar algum) comentem.



Sério....


Comentem!

Eu me sinto tão carente quando entro no blog e vejo só 2 comentários.



Eu sou que nem um pobre cãozinho que precisa de atenção...




Sim... Kaum..cãozinho...


É...eu me odeio...



Para o texto de hoje eu tava pensando em fazer uma lista de jogos que atrapalham os estudos (pegando embalo no que falei no fim do texto passado), mas eu to com tanta coisa na cabeça que ter que organizar as idéias para fazer uma lista iria ser uma tarefa impossível.


Eeeentão, resolvi falar de um só jogo que, pelo menos pra mim, atrapalhou muito os estudos.

E no meu caso, quando tava jogando esse jogo era época de vestibulares...


Como consegui entrar na faculdade ainda é um mistério para mim...




DEUS ABENÇOE AS SEGUNDAS CHAMADAS!!


E esse jogo ainda tem mais coisas relacionadas a estudo.



Já escrevi 2 páginas de texto e ainda não comecei a falar do jogo... He... He...

Sem mais demoras, lhes apresento Persona 3!


Antes que alguém jogue um tênis em mim por que eu deixei o “SMT” no nome (e alguns fãs chatos falam que Persona é muito “spin off” para ter SMT no nome) eu me explico:

Eu simplesmente gosto do nome assim...


Dá só uma olhada no tamanho do título!!!



Qualquer jogo com 4 palavras ou mais no nome merece um dedão positivo do papi Kronk.

Agora que isso está esclarecido, comecemos.

Esse jogo é de uma série de spin offs (que não tem cronologia nem nada) da MOST BADASS FREAKING obscura série, Shin Megami Tensei. E não se assuste com o “3” no nome, já que os jogos Persona não têm ligações diretas uns com os outros.


Muita gente reclama e fala que esse jogo é uma versão “pop”, ou “Malhação” de SMT. E, verdade seja dita, eu também acho. Mas, DEUSES, esse jogo é bom mesmo assim!

A série “Persona” não tem muito aquele ar apocalíptico da série original, indo mais para um lado de exploração e desenvolvimento de personagens, com histórias menos sérias e etc.

A história desse jogo se passa ao redor de Minato (ou seja lá qual for nome você der para ele), um garotinho (emo) que se muda para a cidade onde ele nasceu. Ele chega por lá de noite, e as coisas parecem meio estranhas, com caixões na rua e os parelhos eletrônicos não funcionam.

Então ele chega ao “dormitório” onde ele vai morar junto com outros alunos da sua nova escola. Lá ele é recepcionado por um garoto estranho que o faz assinar um contrato, e depois desaparece.


Bla bla vem, bla bla vai, ele é apresentado para mais duas meninas e mais um rapaz que mora lá, até que em um dia....

Ou melhor, numa noite, ele acorda no meio da madrugada e ao que parece o dormitório está sendo atacado. Uma das meninas aparece e lhe explica que precisam fugir. Eles então correm para a cobertura onde os atacantes (monstros chamados “Shadows”) aparecem e atacam a dupla.

A menina é atacada, e então Minato desperta ao seu poder, evocando seu “Persona”, e destruindo as shadows.

Depois de todo esse bafafá, lhe é explicado que todo dia à meia noite, o mundo entra em um estado, chamado de “Dark Hour”, onde as pessoas normais se transformam em caixões e não tem consciência do que acontece, e apenas alguns com o “potencial” permanecem acordados.


Nesse horário, as shadows aparecem e atacam as pessoas, devorando suas mentes, e a única forma de derrotá-las é utilizando os “Personas” (um ego dentro do ego..é...confuso..mais tarde você entende).

Minato também descobre que seus colegas de quarto fazem parte de um grupo de pessoas que podem usar os personas, e que buscam um modo de acabar com a Dark Hour e as shadows.

Então, Minato e sua turminha embarcam numa jornada em busca de respostas, buscando um meio de acabar com as shadows e salvar o mundo.



Como eu disse, a história é mais leve que os outros SMT.




A não ser pelo o fato de que para evocar os personas as pessoas tenham que dar um tiro na própria cabeça...


Hardcore né?


Isso deve ter feito tantas mães arrancarem os cabelos...



Mas, estranhamente, esse jogo que popularizou de vez a série SMT no ocidente.

Ele fez tanto sucesso que há 3 versões desse jogo, além de uma “continuação”.



E por que esse jogo fez tanto sucesso?

Vejamos:

O sistema de jogo se divide em duas partes: um RPG “crawler” e um simulador de encontros...



Caaaalma, não vomite... Não é tão ruim quanto parece.


A parte “RPG” consiste em avançar pelo único dungeon do jogo, o “Tartarus”, um prédio com uma renca de andares aleatórios lotados de Shadows.

As batalhas são por turnos onde você só controla o Minato (e os outros integrantes ficam a cargo da – ineficiente – inteligência artificial do computador). Você pode atacar normalmente, usar itens, fugir, esperar, mudar as táticas e usar as habilidades de seus personas.


Os personas são...


Bem..

Eles são..

Ahm..


Pokémons dos infernos?



Ahm..

AH!


São que nem os demônios do Nocturne. Só que ao invés de eles jogarem como players, você só os evoca para usar as habilidades, gastando MP ou HP.

O Minato pode utilizar vários personas (enquanto o resto do grupo só possui um), que são obtidos ao fim das batalhas por sorteios, ou pela fusão de dois outros ou mais.

E, como em Nocturne, “colecionar” os diversos personas confere a maior graça do jogo.

Os personas são os mesmos demônios que acompanham a série SMT ao longo dos anos, como diferentes entidades, desde o xintoísmo até o cristianismo, passando pelo budismo e esbarrando no hinduísmo.


Os personas também possuem level e conforme evoluem ganham novas habilidades.


Mas, o método mais eficiente de evoluir os personas é pela parte de simulação de encontros.


Num faz cara feia não!


É nessa parte que o jogo se destaca.


O jogo segue o dia-a-dia do personagem. Você acorda, vai para a escola, sai com os amigos, vai no shopping, lanchonete, estuda...e de noite se der tempo sai para lutar com monstros. Seu personagem pode ficar doente ou cansado (o que afeta seu desempenho nas lutas), sendo necessário descansar também.


No seu dia, você pode fazer amizade com diversas pessoas, cada uma representando uma Arcana maior do Tarot. Cada persona também possui sua própria arcana, e, ao aprofundar os laços com as pessoas que representam essa arcana, seus personas se tornam mais fortes.


Além do mais, seu personagem possui atributos (inteligência, carisma e coragem..e talvez um outro) que podem ser aumentados fazendo varias tarefas (como estudar para aumentar a inteligência..e esse é o único lugar que te faz pensar que você precisa tirar notas máximas para ter chance de sair com uma ruiva escultural... mundo injusto), e algumas amizades só podem evoluir se você tiver atributos específicos.


Pode parecer um saco ter que fazer amizades e ir a escola...


E, na verdade, as vezes é sim..

Porém, se for bem aproveitada, essa parte do jogo se torna bem mais divertido do que a exploração do Tartarus.

Muitos dos “amigos” possuem histórias muito interessantes (como um escritor doente terminal, ou uma menininha que os pais vão se divorciar), além de ser possível namorar algumas meninas.


É... Agora você pode projetar suas frustrações amorosas em um jogo agora...legal né?



HÁ!

Looser!!


Além disso, evoluir um “social link” (amizade) ao máximo te dá direito a fazer o persona mais forte da arcana em questão...

E, ouça o que eu digo, esses personas ajudam e muuuuito sua vida.

Além de tudo, chega uma hora que a exploração do Tartarus se torna maçante, e desenvolver seus social links se torna muito mais prazeroso.


E depois de jogar esse jogo você vai tratar todas suas amizades como arcanas, e vai rezar para chegar a um S.L. lvl 7 com uma garota...


Hehe



Eu me odeio...


E lembra que falei que SMT é um game sádico?


Bem, esse não é.


Bem, não chega a ser “fácil”, mas também não vai te fazer vomitar sangue e amaldiçoar a vida pelo sofrimento que um mero cd pode causar.



E isso é bom..



Menos para os fãs mais “mimimi” que querem um jogo que faça seu esfíncter se fechar tanto que a única coisa que passa por ele seja uma agulha.


MASOQUISTAS SEM-VERGONHA!


Se bem que a I.A. do resto do seu grupo faz tantas burradas que você vai ter que contar com a sorte em algumas lutas.


A parte gráfica do jogo é competente. Tudo tem ar de anime, com personagens andrógenos de cabelo colorido. Um ponto ruim é o design da Tartarus, repetitivo ao extremo.

Já o ponto positivo é o design dos personas. Apesar de a maioria ainda utilizar os mesmos desenhos do inicio da série (lááá no Famicon), muitos deles possuem um design espetacular.

Depois de ver as diferentes formas de Lúcifer você vai entender o nível.

Se bem que tem alguns personas que são, no mínimo, estranhamente perturbadores...

É com você mesmo que eu to falando, Mara!


A parte sonora do game é espetacular.

A dublagem é muito bem executada (*cof cof*minha opinião*cof cof*) e a trilha sonora é ótima, digna de ser baixada e ouvida diariamente até você sair cantado e dançando “Mass Destruction” por aí.


ReeeeEeEEeeEEeeEEEeeEeeEeesumindo:

Persona 3 é bom pra @#$%@%¨& e se você não jogou ainda vai ter que jogar se não quiser apanhar de mim. E eu sou bravo pra cacete!


Tudo bem que o jogo pode ser meio enjoativo as vezes, com uma história rasa que demora pra emplacar, mas mesmo assim se você começar a jogar dificilmente você vai largá-lo até terminá-lo.

O jogo tem 3 versões. A normal, que é..ahm..normal...


Dã...

Tem também a FES, uma edição comemorativa que possui alguns extras (como novos personas, golpes e social links) e uma continuação (chamada The Answer, que é bem mais difícil que o jogo normal e conta os acontecimentos imediatamente após o fim do jogo).

E também tem uma versão para PSP(até agora só em japa), que lhe possibilita jogar com uma menina ao invés do Minato. O que não faz muita diferença, já que ele parece uma menina de qualquer jeito.


EMO SEM-VERGONHA!!


Avaliação: “Thou art I, and I am thou. Thou shall have our blessing when thou PLAY THIS GAME!!”


E é isso aí. Agora eu me empolguei e vou fazer um especial SMT.


Até quando?



Até eu ficar sem idéias...




O que provavelmente será já no próximo texto...

Mas prometo me esforçar.




Tenham um bom dia!





E COMENTEM!!!





DAMMIT!!

8 comentários:

  1. porra kaum, ficou muito bom o texto, mal posso esperar pelo seu texto de devil survivor *.*


    /lucas falando

    ResponderExcluir
  2. Man, gostei do texto....
    altos WTF que eu n sabia de P3 ja q só joguei P4, e ainda jogo...

    FTW !!! SE MATAR PRA INVOCAR UM PERSONA? TENSO!
    btw, otimo texto, só esperando pelo proximo ;D

    ResponderExcluir
  3. agora preciso decidir por onde eu começo o próximo texto..
    huuum...

    hora de fazer umas pesquisas

    ResponderExcluir
  4. ótimo texto Kaum!!

    pena que naum posso jogar persona...

    ja que vendi meu ps2

    mais td bem,eu naum ia ter paciência pra zerar mesmo

    E PW é ótimo!!!!já zerei o 1 e to no último caso do justice for all!!

    Trials and Tribulations que me aguarde!!!

    ResponderExcluir
  5. Cara seus textos são mt bons, ingraçados, inteligentes e criticos, parabens =)(Voce ja virou P3?

    ResponderExcluir
  6. obrigado pelos elogios!

    então..

    já..já virei ele..não consegui fazer 100%, mas depois que eu comprar o P3 pro psp aí eu tento 100% (todos os personas... S.L. e etc)

    ResponderExcluir